Você sofre com queda de cabelo?


Você sofre com queda de cabelo?

A queda de cabelo atinge ao menos 25% das brasileiras com idades entre 35 e 40 anos, e o percentual sobe para 50% a partir da quarta década de vida. Os dados são da Associação Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar e comprovam que a queda dos fios é realmente frequente e recorrente entre homens e mulheres, causando verdadeiro pânico em alguns casos.

Existe uma queda considerada normal, que é a de aproximadamente 100 fios ao dia. Essa perda ocorre por conta da renovação dos fios, que nascem, crescem e caem naturalmente. Porém, é quando a quantidade perdida supera a média normal que as coisas começam a ficar preocupantes.

O ralo cheio de fios ou cabelos espalhados pelas roupas e pelos travesseiros soam como um alerta.

Existem múltiplas causas para a perda dos fios, e que podem ou não estar associadas. Elas passam por alterações hormonais, estresse, dietas restritivas, tratamento de doenças como o câncer, inflamações e doenças do couro cabeludo e o uso de medicamentos. Um diagnóstico correto é o primeiro passo para o tratamento adequado.

As principais causas são:

Estresse

O estresse impacta o corpo humano de variadas formas, e um dos efeitos colaterais do quadro é o aumento da queda de cabelos. Em casos graves de estresse pode ocorrer a alopecia areata, um tipo de queda que deixa “buracos” totalmente sem fios, semelhantes à clareiras, espalhados pelo couro cabeludo. Adotar ações para redução do estresse, como a busca por tratamento psicológico, uma boa alimentação, descanso adequado e a prática de exercícios, melhora o quadro geral e, consequentemente, a perda dos fios.

Doenças da tireoide

O hipertireoidismo (que é o funcionamento exacerbado da glândula) e o hipotireoidismo (quando a tireoide funciona de forma ineficaz) podem causar queda e afinamento dos fios. Por meio de exames, o médico consegue detectar se há algo de errado com a atividade da glândula e tratar a causa de forma medicamentosa ou, em casos mais graves, por meio de cirurgia.

Anemia

A queda de cabelos pode ser um dos sintomas da deficiência de ferro no organismo, que também causa palidez, fraqueza e cansaço frequente. Uma alimentação rica em ferro e em vitaminas, além da reposição medicamentosa do mineral, tendem a cessar o problema. Porém, apenas o médico pode indicar o uso de suplementos com ferro, pois o excesso também pode desencadear problemas.

Cistos ovarianos

A ocorrência da Síndrome dos Ovários Policísticos aumenta a presença de testosterona no organismo feminino, causando a queda de cabelo e outros sintomas. O tratamento é realizado conforme o quadro de cada paciente, podendo incluir indicação de perda de peso e uso de anticoncepcionais.

Tabagismo

O hábito de fumar impacta o corpo humano de forma negativa, e é um dos motivos para a queda dos fios. Isso ocorre porque as substâncias presentes no cigarro se acumulam no organismo, causando degeneração nos vasos sanguíneos que alimentam o couro cabeludo. Os fios vão ficando fracos e caem mais.

Se você sofre com queda de cabelo, entre em contato pelo WhatsApp  ww www.bit.ly/contatoclinipop e marque uma consulta com a nossa Dermatologista.

MITOS E VERDADES SOBRE O COVID-19

O assunto do momento é o novo coronavirus, muito tem se falado deste novo vírus e não é para menos, esta pandemia atingiu mais de 50 países e o Brasil não ficou de fora. Por isso, estamos aqui para esclarecer alguns mitos e verdades, com o intuito de cada vez mais levar informação, conscientização e apoio aos nossos pacientes, seguidores e colaboradores. Então vamos lá:

1 – Itens como luvas e máscaras nos protegem da transmissão da doença?

Verdade. O uso da máscara só é recomendado para pacientes com casos confirmados e para aqueles com suspeita da doença. Profissionais de saúde devem usar a máscara N-95, enquanto para os pacientes a máscara é a cirúrgica simples. A recomendação para prevenção é descartar as máscaras a cada 4 horas quando em ambientes externos. Dentro de casa, o uso da mesma máscara deve se manter até que ela fique úmida ou suja.

Máscara coronavirus goianira

 

2 – Pessoas com máscaras podem contrair o Coronavírus?

Verdade. A máscara protege contra a doença, mas não a evita. Existem outras formas de contrair o Coronavírus mesmo estando de máscara. A principal forma de contágio é através do ar, quando a pessoa contaminada tosse ou espirra, espalhando o vírus. Outra forma é o contato das mãos em superfícies contaminadas em até 24 horas após a eliminação do vírus, por isso é importante evitar tocar olhos, nariz e boca sem higienização adequada das mãos. A lavagem das mãos deve ser feita com água e sabão, além do uso de álcool em gel ou álcool 70%. Além da palma da mão, a lavagem deve incluir o dorso, entre os dedos e o pulso.

3 – A taxa de mortalidade do novo Coronavírus é maior do que a de outras manifestações do vírus?

Mito. De acordo com estudo realizado pelo Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CCDC), a taxa geral de mortalidade do Coronavírus é de 2,3%. Em pessoas com mais de 80 anos chega a 14,8%. Em comparação a outros coronavírus já registrados, como a síndrome respiratória aguda grave (Sars) e a síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers), o novo Coronavírus não é tão mortal. A taxa de mortalidade do Sars era de 10% e a da Mers em torno de 20% a 40%. No entanto, o nível de transmissão do novo Coronavírus é maior.

4 – Existe um exame capaz de detectar a existência do Coronavírus no corpo humano?

Verdade. É possível fazer o diagnóstico laboratorial específico para Coronavírus, através da detecção do genoma viral. Além disso, com a investigação clínico-epidemiológica se avalia histórico de viagem para o exterior ou contato próximo com pessoas que tenham viajado para fora do país.

5 – Cães e gatos podem transmitir a doença?

Mito. Não há evidências de que animais domésticos podem ser via de transmissão do Coronavírus, mas se recomenda sempre lavar as mãos após brincar com os pets.

Coronavirus Goianira

6 – Existe vacina contra o novo vírus?

Mito. Assim como não há vacina, também não há tratamento específico. Tem sido indicado repouso, consumo de líquidos, alimentação saudável e algumas medidas para aliviar os sintomas, como medicamentos para dor e febre. No caso de febre persistente, o indicado é procurar o serviço médico.

7 – Os sintomas são parecidos com o de um resfriado comum?

Verdade. Em caso de febre, tosse e dificuldade para respirar, é preciso ficar alerta. Em alguns casos, também há complicações respiratórias, podendo evoluir para pneumonias.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

 

Devido a pandemia, nós da CliniPop acatamos a determinação do Conselho Federal de Medicina e suspendemos todos os atendimentos eletivos, mas com o intuito de não deixar a população desassistida, lançaremos um sistema de TELEMEDICINA, onde será disponibilizado médicos para atendimentos remotos via videoconferência para avaliação de pacientes.

Ao sentir qualquer sintoma não deixe de marcar seu atendimento remoto. Os agendamentos serão feitos pelo WhatsApp:  ww www.bit.ly/contatoclinipop

 

clinica popular goianira

MITOS E VERDADES DA ANESTESIA!!

Mitos e Verdades da Anestesia!

 

Existem muitos mitos e verdades sobre a anestesia que precisam ser esclarecidos para a população. É comum que os pacientes tenham medo de possíveis complicações no momento da anestesia, mas é importante ressaltar que estes problemas são raros.

 

O responsável por este procedimento é o médico anestesiologista. Entre as complicações que realmente podem acontecer durante a anestesia estão problemas respiratórios e nos sistemas cardiovascular e neurológico. Confira alguns mitos e verdades sobre a anestesia:

 

(✅) 1 – É verdade que o anestesista deve ter uma atenção redobrada quanto à manipulação do sistema respiratório do paciente. O médico precisa verificar na consulta pré-operatória a existência de possíveis doenças crônicas do sistema respiratório para calcular o risco de dificuldade respiratória durante a cirurgia.

 

(✅) 2 – É verdade que a consulta pré-operatória realizada pelo anestesiologista deve acontecer uma semana antes da cirurgia. Este exame clínico geral é fundamental para o sucesso da operação.

 

(✅) 3 – É verdade que existem alguns medicamentos que podem interagir com os anestésicos no momento da cirurgia. Por isso, os pacientes devem relatar ao médico todos os remédios que estão tomando.

 

(✅) 4 – É verdade que na consulta pré-operatória o médico deve passar informações sobre o jejum pré-operatório para o paciente.

 

(✅) 5 – É verdade que a anestesia pode levar ao choque anafilático, uma reação alérgica grave, mas este problema pode ser revertido no centro cirúrgico.

 

 

(❌) 6 – É mito dizer que o choque anafilático tem grandes chances de ocorrer. Esta reação tem um risco mínimo.

 

(❌) 7 – É mito imaginar que os medicamentos anestésicos são perigosos. Os atuais medicamentos são muito seguros e apresentam uma baixa incidência de alergias e complicações graves.

 

(❌) 8 – É mito também acreditar que existe um exame que determine se o paciente tem alergia ao medicamento anestésico. Só é possível prever reações em pacientes que já tenham alergias a borracha ou látex.

 

(❌) 9 – É um mito achar que a anestesia geral é perigosa. Na prática, o risco é o mesmo para todos os tipos de anestesia, seja ela subaracnóidea, raque, peridural, de bloqueios de nervos periféricos ou geral.

 

(❌) 10 – É mito que Anestesia faz cair cabelo!

 

A CliniPOP inaugura no dia 13/01/2020. Agende consulta e tenha ajuda e suporte  para se cuidar.

 

Entre em contato com nosso WhatsApp através do link: www.bit.ly/clinipop

Nos acompanhe em nossas redes sociais:

Instagram/Facebook: clinipopoficial